Isto é o Natal

IstoEhNatal"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3.16).

Na história mundial não existe uma única pessoa cujo currículo já estivesse escrito antecipadamente por meio de profetas judeus. Na história mundial só existe uma única Pessoa enviada por Deus ao mundo por meio de nascimento virginal. E na história mundial também só existe uma única Pessoa cujo nascimento foi preparado por impérios e reinos mundiais. Isso seria mero acaso?

O entrelaçamento dos fatos é preciso e exato demais para não ser real. Tudo o que envolvia o nascimento de Jesus foi verídico, e tinha um único propósito: providenciar nossa salvação eterna. Deus se empenhou por nós! Com o Natal Ele quer nos dizer que não existe ninguém que esteja longe demais para poder vir até Ele.

Certa vez perguntaram a Jesus como se poderia reconhecer a veracidade das Suas declarações. Ele respondeu fazendo um convite: quem desse ouvidos ao que Ele falava iria experimentar pessoalmente a verdade de Suas palavras e reconheceria que elas não vêm de um homem, mas do próprio Deus. Como os magos do Oriente, todo homem e toda mulher pode examinar os fatos por si mesmo, e então chegar até o Salvador para adorá-lO. Quando Jesus nasceu, Deus veio até nós com o dom da graça e do perdão de todos os pecados, dando-nos de presente a vida eterna no céu. Isto é o Natal.

Deus percorreu um longo caminho para nos salvar.
Os magos do Oriente fizeram uma longa jornada para encontrar a Jesus.
Tenha coragem de começar sua própria caminhada em direção ao Salvador!

Desejamos um Feliz Natal!

 

Norbert Lieth
[A História por Trás do Natal]

 

 

Você pode ter certeza de sua salvação

certeza da salvacao"Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem. E mais: Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor" (2 Timóteo 2.19).

O apóstolo Paulo, o paladino do Cristianismo, em sua derradeira epístola, alerta o jovem Timóteo a não perder o foco de seu ministério, envolvendo-se em falatórios inúteis e profanos (2 Timóteo 2.16). Também, afirma que alguns, nessa prática, desviaram-se da verdade (2 Timóteo 2.17,18). Longe, porém, do veterano apóstolo estar abrindo uma brecha para a possibilidade da perda da salvação, afirma com diáfana clareza, a segurança da salvação, aduzindo dois eloquentes argumentos:

 

Em primeiro lugar, os salvos são conhecidos por Deus (2 Timóteo 2:19a). "O Senhor conhece os que lhe pertencem…"
Deus nos conheceu de antemão (Romanos 8.29).
Escolheu-nos conforme sua própria determinação e graça em Cristo antes dos tempos eternos (2 Timóteo 1.9).
Escolheu-nos em Cristo antes da fundação do mundo (Efésios 1.4).
Escolheu-nos desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade (2 Tessalonicenses 2.13).
Nessa mesma linha de pensamento, o apóstolo Paulo diz: Deus conhece os que lhe pertencem (2 Timóteo 2.19).
O ensino insofismável das Escrituras é que Deus nos amou primeiro e nos atraiu para si com cordas de amor.
Fomos escolhidos, chamados e justificados. Nossos pecados foram perdoados, nossa dívida foi paga e nosso nome está escrito no livro da vida.
Fomos comprados por alto preço, resgatados da morte e declarados justos diante do tribunal de Deus.
Nossa salvação não é resultado das obras que realizamos para a Deus, mas da obra que Deus realizou por nós, na cruz do Calvário.
Deus nos amou quando éramos fracos, ímpios, pecadores e inimigos. Éramos escravos e ele nos libertou. Estávamos perdidos e ele nos encontrou. Estávamos mortos em nossos delitos e pecados e ele nos deu vida.
Fez-nos seus filhos e seus herdeiros. Agora, somos membros do corpo de Cristo, ovelhas do seu pastoreio e ramos da Videira verdadeira.
Somos a sua herança, a menina dos seus olhos e a sua delícia, em quem ele em todo o seu prazer.
Nossa vida está segura nas mãos de Cristo e de suas mãos ninguém pode nos arrebatar.
Nada nem ninguém, neste mundo ou no porvir, pode nos separar de seu amor, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.
Estamos seguros porque o próprio Deus que nos criou, nos escolheu e nos salvou nos conhece como sua propriedade exclusiva!

 

Em segundo lugar, os salvos vivem em santidade (2 Timóteo 2.19b). "… e mais: Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor".
A gloriosa doutrina da eleição tem sido atacada por muitos e não entendida por outros. Longe dessa verdade induzir o descaso com a santidade, promove-a.
O ensino claro das Escrituras é que Deus no escolheu pela santificação do Espírito e fé na verdade (2 Tessalonicenses 2.13).
Deus nos escolheu para sermos santos e irrepreensíveis (Efésios 1.4).
Deus não nos chamou para a impureza e sim para a santificação (1 Tessalonicenses 4.7).
Logo, aqueles a quem Deus conhece como seus e que professam o seu nome,  apartam-se da injustiça (2 Timóteo 2.19).
A evidência da eleição é a santificação.
Ninguém pode se julgar um eleito de Deus se não vive em santidade.
Ninguém pode comprovar sua eleição, senão pela prática da piedade.
Os que são de Deus vivem em novidade de vida. Aqueles a quem Deus conhece têm um novo coração, uma nova mente e uma nova vida.
Quem pratica o pecado é escravo do pecado, ainda permanece nas trevas e não conhece a Deus, pois Deus é luz.
A segurança da nossa salvação não está estribada em quem nós somos, mas em que Deus é e, no que ele fez por nós, em nós e através de nós!

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

 

O Poder Devastador da Mentira

poder devastador da mentira"Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros" (Efésios 4.25).

A mentira é devastadora. Produz descrédito, decepção e morte. A mentira é nociva não apenas por causa de sua natureza perversa, mas, também por causa de sua origem maligna. O diabo é o pai da mentira e o padroeiro dos mentirosos. Muito embora a mentira não se mantenha de pé o tempo todo, pois é manca e tem pernas curtas, ainda assim ela produz muitos males, como veremos:

Em primeiro lugar, a mentira é uma afronta a Deus. Deus é luz e não há nele treva nenhuma. A mentira não habita na luz, antes esconde-se nas regiões lôbregas e ensombrecidas do engano. A mentira é um atentado contra a natureza de Deus e uma violação da lei de Deus. O nono mandamento é peremptório: "Não dirás falso testemunho". A ordem divina é: "… deixando a mentira, fale cada um a verdade…". A mentira tem muitas faces. Ela se apresenta disfarçada ora de autodefesa, ora de negação afrontosa da verdade. Quando Deus confrontou Adão por seu pecado, ele colocou a culpa em Eva. Quando Deus confrontou Caim pelo assassinato de Abel, ele evadiu-se dizendo que não era tutor de seu irmão. O mentiroso diz sim, quando deveria dizer não e diz não quando deveria dizer sim. A mentira é uma distorção, inversão e negação da verdade. Portanto, a mentira é uma ofensa à santidade de Deus e um atentado à integridade do próximo.

Em segundo lugar, a mentira é uma afronta ao próximo. A mentira tem como propósito enganar o próximo. Seu intento é sonegar a verdade ao próximo para usurpar seus direitos. A mentira tem a ver, outrossim, com uma informação eivada de distorções, para maquiar os fatos, usurpar o próximo e colocar o retrato do mentiroso na moldura da integridade. Toda mentira é prejudicial, pois não pode existir comunicação saudável nem relacionamentos confiáveis onde a mentira está presente. Seus efeitos são desastrosos, pois destrói a confiança, o alicerce das relações humanas.

Em terceiro lugar, a mentira é uma afronta a si mesmo. O mentiroso destrói a si mesmo antes de atingir o próximo. Perde sua credibilidade, seu nome e sua alma antes de prejudicar os outros. Os mentirosos não entram para o rol daqueles que são coroados de respeito e dignidade. Os mentirosos são abomináveis na terra e não herdam os céus. Os mentirosos bebem o refluxo perverso do seu próprio fluxo maligno. Colhem os frutos malditos de sua  própria semeadura insensata. Bebem o veneno que destilam de sua língua peçonhenta. Os mentirosos tropeçam em sua própria língua e cavam a sua própria sepultura.

Em quarto lugar, a mentira é uma afronta à sociedade. Vivemos numa sociedade corrompida, que lança mão da mentira nos palácios, nas cortes, na academia, nos templos, na indústria, no comércio e na família. A mentira vem, muitas vezes, travestida de verdade. Sendo injusta, não raro, traja-se com a toga da justiça. Sendo perversa, às vezes, desfila na passarela da honra. A mentira, entretanto, é maligna em sua essência e devastadora em seus efeitos. Não há sociedade ordeira e justa onde a mentira se traveste de verdade. Não há confiança duradoura nas relações onde a mentira se disfarça de verdade. Não há conceitos sólidos da verdade teológica ou dos preceitos éticos onde a mentira discursa com veemência nas cátedras ou  prega com eloquência nos púlpitos. Não há justiça social onde a mentira engana o povo na indústria ou no comércio. É impossível construir  uma sociedade honrada sobre o fundamento roto da mentira. Só no canteiro da verdade floresce o amor, a justiça e a paz. A mentira produz morte, mas a verdade dá à luz a vida. Deixemos, portanto, a mentira e falemos a verdade!

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

 

A Glória de Deus, o Supremo Propósito da Vida

Faca tudo para a gloria de Deus"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (1 Coríntios 10.31).

O Cristianismo difere frontalmente do Humanismo. Este, aplaudido e festejado por nossa geração, coloca o homem no centro do universo. O homem tornou-se a medida de todas as coisas. Tudo vem dele, acontece por meio dele e existe para ele. A busca açodada pelo prazer tornou-se o vetor que governa o homem. A realização de sua soberana vontade tornou-se agenda imperativa. Para atender a esse propósito, as filosofias besuntadas de antropocentrismo idolátrico, repaginaram as artes, a música, o entretenimento, a moda, a cultura enfim,  para que tudo contribua para o máximo prazer do homem. O hedonismo emergiu com força das entranhas dessa cosmovisão.

Na contramão dessa visão antropocêntrica, o Cristianismo proclama que Deus é o centro do universo e não o homem. A vontade Deus é que deve ser feita na terra como é feita no céu e não a vontade do homem. O propósito da vida não é o prazer desmedido do homem, mas a glória de Deus. O grande paladino da Igreja Cristã, no período patrístico, Aurélio Agostinho, em seu livro Confissões, disse: "Senhor, tu nos criaste para ti, e nossa alma não encontrará repouso até que se volte para ti".

O homem é um ser vulnerável e dependente. Ele não tem vida em si mesmo e nem pode manter-se de pé escorado no bordão da autoconfiança. Ele não basta a si mesmo nem encontra sentido na vida alimentando-se dos deleites efêmeros deste mundo. Dinheiro, sexo e poder não preenchem o vazio do seu coração. Nem todo o ouro do mundo pode satisfazer os reclamos de sua alma. Nem todas as taças dos prazeres terrenos pode saciar os anelos do seu coração. Nem toda a força dos exércitos da terra pode dar segurança à sua vida. O homem depende de Deus e não encontra sentido em sua jornada a não ser que se volte para Deus, para viver na presença de Deus e fazer tudo para a glória de Deus.

O apóstolo Paulo, o grande bandeirante do Cristianismo, no texto em tela, diz com diáfana clareza que, desde as coisas mais básicas da vida como comer e beber, às mais complexas, devemos fazer tudo para a glória de Deus. Não vivemos nem morremos para nós mesmos. Nascemos para a glória de Deus. Estudamos para a glória de Deus. Trabalhamos para a glória de Deus. Casamo-nos para a glória de Deus. Criamos filhos para a glória de Deus. Fazemos tudo para a glória de Deus.

A glória de Deus é o vetor que governa todas as áreas da nossa vida. Se perdermos esse foco, a vida perde o sentido. Adorar a Deus, amar as pessoas e usar as coisas é a nossa máxima prioridade. Se abandonarmos esse ideal, esquecer-nos-emos de Deus, amaremos as coisas e usaremos as pessoas. Só quando Deus ocupa o primeiro lugar em nossa vida, as outras áreas se encaixam em seu devido lugar. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus, fazemos com excelência e temos propósito no que fazemos. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus, nossas palavras e ações deixam de ser egoístas para se tornarem abençoadoras. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus transformamos as pequenas coisas como um copo de água fria dado ao sedento como uma liturgia de adoração ao Senhor. Eis nosso maior privilégio, nossa maior responsabilidade, nossa maior plataforma de vida: fazer tudo para a glória de Deus!

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

 

Jesus vai voltar!

Jesus vai voltarA Bíblia Sagrada diz que Jesus vai voltar, e nós, servos do Senhor, devemos ansiar por este dia.
Não sabemos quando será, pois o próprio Jesus disse: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai" (Mateus 24:36).

Em Mateus 24 Jesus alertou sobre os acontecimentos que antecederiam Sua volta:

Enganação - "E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane".
Falsos cristos - "Por que muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos".
Eventos trágicos - "Guerras, rumores de guerras, fome, pestes e terremotos."

É preocupante ver pessoas que dizem ter tomado a decisão de seguir a Cristo, mas vivem como se esta profecia não fosse se cumprir.
A Palavra de Deus nos adverte: "Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor" (Mateus 24:42).
Devemos estar preparados, pois a Bíblia diz: "Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará" (Hebreus 10:37).

O Senhor não tardará!

 

BBN