A salvação é somente pela fé ou pela fé mais as obras?

folha secaEsta talvez seja a mais importante pergunta em toda a Teologia Cristã. Esta pergunta motivou a Reforma: a separação entre a igreja Protestante e a igreja Católica. Nesta pergunta está a diferença crucial entre o Cristianismo Bíblico e a maioria dos cultos “Cristãos”. A salvação se dá somente pela fé ou pela fé mais as obras? Sou salvo apenas por crer em Jesus ou tenho que crer em Jesus e fazer certas coisas?

A questão da fé somente ou fé mais as obras se faz difícil por causa de algumas passagens bíblicas de difícil correlação. Compare Romanos 3:28, 5:1 e Gálatas 3:24 com Tiago 2:24. Há quem veja uma diferença entre Paulo (a Salvação é somente pela fé) e Tiago (a Salvação é pela fé mais as obras). Na verdade, Paulo e Tiago, de maneira alguma, discordam entre si. O único ponto de discordância que alguns afirmam existir é a respeito da relação entre fé e obras. Paulo dogmaticamente diz que a justificação se dá somente pela fé (Efésios 2:8-9) enquanto Tiago aparentemente está dizendo que a justificação é pela fé mais as obras. Este aparente problema é resolvido ao examinarmos com precisão sobre o que discorre Tiago. Tiago está negando a crença de que a pessoa possa ter fé sem produzir quaisquer boas obras (Tiago 2:17-18). Tiago está enfatizando o argumento de que a fé genuína em Cristo produzirá uma vida transformada e boas obras (Tiago 2:20-26). Tiago não está dizendo que a justificação se dá pela fé mais as obras, mas, ao invés disso, diz que a pessoa que é verdadeiramente justificada pela fé produzirá boas obras em sua vida. Se uma pessoa afirma ser crente, mas não produz boas obras em sua vida - então ela provavelmente não tem fé genuína em Cristo (Tiago 2:14, 17, 20, 26).

Paulo escreve o mesmo. O bom fruto que os crentes devem produzir em suas vidas é citado em Gálatas 5:22-23. Logo depois de nos dizer que somos salvos pela fé, não por obras (Efésios 2:8,9), Paulo nos informa que fomos criados para as boas obras (Efésios 2:10). Paulo espera tanto de uma vida transformada quanto Tiago. "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (II Coríntios 5:17)! Tiago e Paulo não discordam em seus ensinamentos sobre a salvação. Eles abordam o mesmo assunto sob diferentes prismas. Paulo simplesmente enfatizou que a justificação vem somente pela fé enquanto Tiago enfatizou o fato de que a fé em Cristo produz boas obras.

 

Got Questions

 

Judeus - os donos do mundo?

judeus mundoHistoricamente é possível provar, a todos que estejam interessados na verdade, como os judeus tornaram-se ativos no comércio e nas finanças. Por meio de muitas acusações falsas, imputações, exclusões e as mais infames perseguições, que começaram já no começo do século IV, os judeus foram excluídos da maioria das profissões e proibidos de exercer certas atividades. E como a posse da terra foi dificultada cada vez mais para eles, sua saída foi viver nas cidades. As profissões que lhes restavam eram justamente aquelas desprezadas pelos "cristãos", como a compra e venda de materiais usados, as casas de penhores e a concessão de empréstimos. Eles foram se especializando nessas atividades e geralmente obtinham sucesso no que faziam. Assim, à medida que o comércio e as finanças transformaram-se cada vez mais nas áreas-chave da economia, muitos judeus estavam presentes nesses ramos – até hoje. Atualmente os judeus são uma evidente minoria nas finanças e na economia global, mas ainda assim fortemente representados em comparação com o restante da população mundial.

Difamar os judeus com acusações genéricas e sem prova é um comportamento que a Europa já conhece há mais de 1600 anos. Essa é a face horrível que o antijudaísmo expõe ao mundo, e o tom continua sempre o mesmo: "os judeus são os culpados pela nossa miséria, os judeus são os culpados de tudo!".

Profeticamente, Jesus fala disso em Lucas 21.17: "De todos sereis odiados...". Não é exatamente o que estamos vendo hoje em dia? Mas a segunda parte do versículo continua: "...por causa do meu nome". Esse é o ponto que gera tanto ódio por Israel e pelos judeus: é o ódio contra a nação e contra o país que nos deu Jesus; em última análise é o ódio contra o próprio Deus de Israel, por causa do Seu Ungido. O Senhor confirma positivamente essa realidade quando diz em Mateus 25.40: "Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes".

 

Fredy Peter

 

Medo do fracasso

Sucesso fracassoEm  2.000, o apresentador e comediante Conan O’Brien discursou para os bacharéis da Harvard University, onde cursou, e que é uma das instituições de destaque que compõem a Ivy League (N.T.: Liga da Hera é o grupo das oito maiores universidades do norte dos Estados Unidos). Embora as cerimônias de formatura enfoquem a busca pelo sucesso, Conan optou por lançar o foco sobre o fracasso. 

Falou aos jovens sobre o mundo real do trabalho: "Sendo diplomados por Harvard, sua maior responsabilidade é a necessidade de serem bem-sucedidos."  Observação interessante: a necessidade de ser bem-sucedido vista como responsabilidade e não como habilidade. O’Brien explicou: "Sucesso é como um lustroso smoking branco. Você se sente o máximo quando o veste, mas depois fica desesperado e aflito, temendo que ele se suje ou fique manchado de algum modo." Encerrou com este desafio: "Falhem, cometam erros e gafes ocasionalmente. E lembrem-se que a história ainda não acabou."

Fracasso faz parte da vida. Ao invés de temê-lo e tentar evitá-lo, deveríamos aprender com ele e aceitar que ele pode ser um dos nossos melhores mestres. Se você é pai, entende isto perfeitamente. Quando a criança está aprendendo a andar, inicialmente dá um passo muito instável. Depois, tenta um novo passo e geralmente cai. Antes que domine a habilidade de caminhar, cai muitas vezes. E como pais também falhamos, apesar de nossas melhores intenções. Porém, se aprendermos com nossos erros, nossas falhas terão valido a pena. 

O fracasso é excelente instrutor para cada área da vida, desde aprender a dirigir um carro, fazer apresentações de vendas ou nos prepararmos para falar  em público. A questão é não focar na possibilidade de falhar, e sim fazer uma tentativa inicial e, se não funcionar, começar de novo.

Se forem sinceros, todos os líderes e administradores terão que admitir que cometeram erros ‒ e falharam ‒ ao aprenderem a realizar bem seu trabalho. E líderes sábios permitem que seus subordinados tenham liberdade para falhar, reconhecendo que alguns dos maiores sucessos da raça humana foram alcançados através do fracasso. Como nos lembra o antigo ditado, "Se você não for bem-sucedido na primeira tentativa, tente de novo... e de novo".  

A Bíblia deixa isso bem claro: "Todos nós sempre cometemos erros. Quem não comete nenhum erro no que diz é uma pessoa madura..." (Tiago 3.2). No mesmo livro [epístola], encontramos a surpreendente ordem: "Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo o tipo de aflições" (Tiago 1.2). Enfrentar aflições, dificuldades e adversidades com alegria? Os versículos seguintes explicam porquê: "Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança. Que essa perseverança seja perfeita a fim de que vocês sejam maduros e corretos, não falhando em nada!" (Tiago 1.3-4).

Quando fracassarmos, devemos perseverar e não desistir. Isso fará com que o sucesso, quando o alcançarmos, seja muito mais recompensador. 

 

Rick Boxx
CBMC

 

 

Diferenças entre o Arrebatamento e a Segunda Vinda

volta CristoO Arrebatamento e a Segunda Vinda são dois acontecimentos distintos descritos nas Escrituras.

O Arrebatamento ocorrerá antes do período de sete anos da Tribulação, enquanto a Segunda Vinda acontecerá depois da Tribulação. Não apenas o momento desses eventos é diferente um do outro, mas também há significativas diferenças na natureza deles.

No Arrebatamento, Cristo não colocará os pés sobre o planeta Terra; em vez disso, Ele descerá nas nuvens dos céus e atrairá para Si tanto os crentes vivos quanto os recentemente ressuscitados, e depois retornará com eles para o céu [1Ts 4.16,17]. Na Segunda Vinda, os crentes que já estarão no céu com Cristo retornarão ao planeta Terra, exatamente ao Monte das Oliveiras, em Jerusalém [Zc.14.4]. Estes não podem ser o mesmo acontecimento.

Na Segunda Vinda, Cristo destruirá Seus inimigos, enquanto nas passagens sobre o Arrebatamento não há menção de julgamento dos incrédulos.

No Arrebatamento, Cristo virá para os Seus, a Igreja. Na Segunda Vinda, Cristo retornará com os Seus, a Igreja.

No Arrebatamento, apenas os crentes da Era da Igreja serão diretamente impactados, enquanto que na Segunda Vinda, o mundo inteiro será diretamente afetado.

Existem muitas outras diferenças, mas sempre fica claro que o Arrebatamento e a Segunda Vinda são dois acontecimentos distintos.

 

Thomas Ice

 

Perdão de pecados por meio de intercessão?

IntercessaoA Bíblia diz que cada pessoa vai prestar contas a Deus por si mesma, pessoalmente: "Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mal" (Eclesiastes 12:14). "Assim, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus" (Romanos 14:12). Deuteronômio 24:16 explica: "Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos em lugar dos pais; cada um morrerá pelo seu próprio pecado" (Deuteronômio 24:16). Por isso, a salvação consumada em Jesus Cristo precisa ser reivindicada individualmente. "Todos os profetas dão testemunho dele, de que todo aquele que nele crê recebe o perdão dos pecados mediante o seu nome" (Atos 10:43). Como diz a Escritura: "Todo o que nele crê não será confundido" (Romanos 10:11). 

Deus salienta repedidamente a importância da decisão pessoal. Lemos, por exemplo, em Josué 24:15: "Se, porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor" (Josué 24:15).

Um antigo ditado diz que "Deus não tem netos". Cada um precisa se decidir por si mesmo e para si mesmo! Assim, quando lemos que Moisés, Jó, Estêvão ou o Senhor Jesus oraram pela culpa de outros, isso nada tem a ver com o perdão da culpa (a culpa somente pode ser perdoada através do arrependimento pessoal e da confissão, veja 1 João 1:9). O que esses homens de Deus fizeram foi clamar pela graça de Deus em favor dos que se tornaram culpados, suplicando que Ele fosse propício ao pecador. Vemos isso de uma forma muito vívida no exemplo de Abraão. Ele se colocou diante de Deus intercedendo par que o Senhor afastasse o juízo de Sodomo e Gomorra (Gênesis 18:23-33). Infelizmente, os moradores dessas cidades não se arrependeram de seus pecados, recebendo o juízo por consequência. Em contraste, vemos a cidade de Nínive. Depois do anúncio de juízo por parte de Jonas, toda a cidade se arrependeu e foi poupada (Jonas 3:1-10).

Como pais, podemos interceder por nossos filhos e suplicar ao Senhor para que Ele os atraia para si bem cedo, e que eles cresçam firmes e fortes nEle. Também podemos abençoar nossos filhos em Nome de Jesus e, por meio de uma conduta exemplar, mostrar-lhes que uma vida com Jesus vale a pena!

 

Samuel Rindlisbacher