Alianças de sangue

vinho e pao"Sem derramamento de sangue, não há remissão" (Hebreus 9:22; Levítico 17:11). O que cada sacrifício da antiga aliança proclamava, e que Abel já havia entendido pela fé (Hebreus 11:4), é confirmado aqui categoricamente. [...]

O sangue de Cristo [da nova e superior aliança] foi "derramado em favor de muitos, para remissão de pecados" (Mateus 26:28). Quem são estes muitos? Todos os que crêem! O precioso sangue de Jesus [1 Pedro 1:18,19], eternamente contemplado por Deus, os protege da ira divina [João 3:36].

"Aos homens está ordenado morrerem uma só vez..." (Hebreus 9:27)A reencarnação não é possível. Todavia, nem tudo acaba com a morte, e ela representa pouca coisa quando comparada ao que segue. O que há depois da morte? Uma palavra basta para revelar o mistério: "... depois disto, o juízo" (Hebreus 9:272 Timóteo 4:1; Apocalipse 20:12).

A pessoa sem Deus tem diante de si duas terríveis realidades: morte e julgamento. Mas o redimido possui duas maravilhosas certezas: o perdão de todos os seus pecados e a volta do Senhor para a libertação final (Hebreus 9:28). Que cada um de nossos leitores esteja entre os que "o aguardam para a salvação".

 

Todo Dia Com Jesus

Tocando na realidade espiritual

bosqueTodo sistema religioso tem suas listas de atividades que oferecem um caminho para tocar numa realidade espiritual mais profunda. A participação nestas atividades se torna a marca visível da sinceridade espiritual de cada pessoa que participa fielmente.  

Quem não participa da lista de todas as atividades da sua religião se abre para críticas e a acusação de não levar a sério a realidade espiritual do sistema religioso. Quem recusa participar da lista toda eventualmente será considerado menos espiritual e longe de conhecer a realidade espiritual. A pessoa sempre será olhada com pena ou com rejeição.

Uma vez que uma pessoa aceita uma lista de atividades como sendo o caminho da espiritualidade, ela se torna escrava de quem inventou a lista. O desejo sincero de tocar na realidade mais profunda de crenças religiosas faz parte de todo sistema que prega o seu caminho como sendo o caminho verdadeiro. A questão essencial é se a lista realmente nos leva a tocar na realidade espiritual mais profunda.

Jesus disse em João 14:6 que Ele é o caminho, a verdade e a vida e que ninguém vem ao Pai a não ser por Ele. Jesus é tudo que Deus exige de nós para alcançar a realidade espiritual. Sendo assim podemos dizer que "Jesus é tudo".
 
Se quisermos tocar na espiritualidade mais profunda que existe, temos que nos tornar escravos de Jesus e escravos de ninguém mais. Tocar na realidade da espiritualidade mais profunda é estar "em Cristo".

"Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado. Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo." (Colossenses 2:16-17)


 

Pr. Carlos McCord

Deus ama a todos ou só aos Cristãos?

alianca-com-DeusDe uma certa forma, Deus ama todos do mundo inteiro (João 3:16; 1 João 2:2; Romanos 5:8). Esse amor não é condicional – é baseado apenas no fato de que Deus é um Deus de amor (1 João 4:8,16). O amor de Deus por toda a humanidade resulta no fato de que Deus demonstra a Sua misericórdia por não punir as pessoas por seus pecados imediatamente (Romanos 3:23; 6:23). Se Deus não amasse todos, estaríamos no inferno agora mesmo. O amor de Deus pelo mundo é manifestado em que Ele dá às pessoas a oportunidade de arrependimento (2 Pedro 3:9). No entanto, o amor de Deus pelo mundo não significa que Ele vai ignorar o pecado. Deus também é um Deus de justiça (2 Tessalonicenses 1:6). O pecado não pode deixar de ser punido eternamente (Romanos 3:25-26).

O ato mais amoroso da eternidade é descrito em Romanos 5:8: "Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores." Aquele que ignora o amor de Deus, que rejeita Cristo como Salvador e que nega o Salvador que o comprou (2 Pedro 2:1) vai estar sujeito à ira de Deus por toda a eternidade (Romanos 1:18), não ao Seu amor (Romanos 6:23). Deus ama todos incondicionalmente, pois Ele demonstra-lhes misericórdia por não destruí-los imediatamente por causa do seu pecado. Ao mesmo tempo, Deus tem um “amor de aliança” pelos que colocam a sua fé em Jesus Cristo para obter a salvação (João 3:36). Apenas aqueles que acreditam em Jesus Cristo como Senhor e Salvador experimentarão do amor de Deus por toda a eternidade.

Deus ama todos? Sim. Deus ama os Cristãos mais do que os descrentes? Não. Deus ama os crentes de uma forma diferente dos descrentes? Sim. Deus ama todos igualmente por ser misericordioso com todo mundo. Deus ama apenas os Cristãos no sentido de que apenas os Cristãos têm a Sua graça e misericórdia eternas, assim como a promessa do Seu amor eterno no Céu. O amor incondicional que Deus tem por cada um deve levar-nos à fé nEle, recebendo com gratidão o grande amor condicional concedido aos que receberem Jesus Cristo como Salvador.

 

Got Questions

Histórias do burro e de Elias

burroFico sempre intrigado com o poder de contar histórias. Creio que todos nós temos uma história que vale a pena ser contada. Até mesmo um burro tem uma história para contar — uma pequena e "poeirenta" história. 

É um conto sobre o burro de um fazendeiro que tropeçou e caiu dentro de um velho poço seco. Ao descobrir o acidente, o fazendeiro avaliou as possibilidades para libertar seu querido burro, que já era como um membro da família. Finalmente, não encontrando nenhuma solução viável, decidiu encher o poço de terra. Ficou profundamente consternado, sabendo que isso significava enterrá-lo vivo, mas consolava-o o fato de que ninguém mais teria o mesmo destino desastroso do desajeitado burro. 

À medida que o fazendeiro esvaziava cada pá de terra dentro do poço, esta caia nas costas do burro. Sem se abalar, o burro simplesmente sacudia a terra de seu dorso e permitia que as pás de terra fossem se acumulando sob suas patas. Após várias horas e centenas de pás de terra, o burro surgiu, surpreendentemente, à borda do poço. Saltou por cima da beira e trotou para longe. O que parecia ser sua sentença de morte, se transformou em sua salvação.

E nós? Sob pressão somos capazes de enfrentar a crise e nos erguermos vitoriosos como o burro? Todos nós nos deparamos com armadilhas e "terra" — fardos físicos, espirituais e emocionais — na jornada da vida. Você pode estar enfrentando um neste exato momento. A pergunta é: como podemos sacudir nossas costas e vencer as adversidades? Às vezes ouvimos pessoas afirmar que "até que estão bem, sob as circunstâncias". Quando ouço isto, sinto-me tentado a responder: "O que você está fazendo debaixo delas?"

Essa história me fez lembrar o relato bíblico com desfecho semelhante: a história do profeta Elias, relatada em 1Reis 18 e 19. Vale a pena ler esses dois capítulos na íntegra, mas aqui vai um breve resumo.

Depois de vitória decisiva no Monte Carmelo ao confrontar profetas de falsos deuses, Elias, profeta do verdadeiro Deus, entrou em depressão. Como geralmente acontece depois de acontecimentos que fazem as emoções atingirem níveis elevadíssimos, Elias desmoronou emocionalmente. Talvez tenham sido os hormônios do estresse aquietando-se depois que a crise foi vencida, mas o profeta repentinamente se sentiu incapaz de enfrentar novo desafio. 

Alguns acusam Elias dizendo que lhe faltou fé. A verdade é que o profeta não era indestrutível: "Elias era humano como nós" (Tiago 5.17). Depois de participar da derrota sobrenatural de centenas de falsos profetas, a montanha-russa emocional dele entrou em espiral descendente. Ao ser ameaçado de morte pela rainha Jezabel, sucumbiu ao medo e fugiu. Lendo o restante da história verá Deus orquestrando um resgate divino. Ao invés de puni-lo, Deus o alimentou e permitiu que descansasse, antes de restaurá-lo e enviá-lo de volta à batalha. 

E você? Tem se sentido oprimido pela adversidade? Talvez tenha experimentado grande vitória no trabalho e no lar, mas está se sentindo emocionalmente exausto. Sua energia e motivação se esgotaram, fazendo-o sentir-se um farrapo.

Lembre-se das histórias do burro e de Elias. Peça a Deus e, então, se prepare para voltar para a batalha. 

 

Ed Thompson

Qual é o significado literal de “pecado”?

Na traveNo Antigo Testamento, a expressão hebraica para pecado é chat’at, que significa “errar o alvo” – assim como a palavra grega hamartia, usada no Novo Testamento.

No futebol, pouco importa se o jogador erra o gol por pouco ou por muito. Não importa muito se somos “grandes pecadores” ou “pequenos pecadores” – o que importa é que somos pecadores! Muitas vezes escutamos as pessoas argumentando: “Nunca enganei ninguém, nunca roubei ou matei, por isso Deus com certeza me aceitará”. Mas, como já dissemos: para fora é para fora, não importa se foi para fora do estádio ou se tirou tinta da trave. É claro que os pecados são castigados de forma justa. Um assassino contumaz, um adúltero ou um ladrão serão castigados de forma diferente daquele que nunca fez nada disso. Mas o “menor dos pecados” é suficiente para errar o alvo dos céus. “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23).

Adão e Eva transgrediram “apenas uma” ordem de Deus, e isso já bastou para que fossem condenados a sair do Paraíso, sofrendo a morte e acarretando sofrimento para toda a criação. Como todos os homens erram o alvo, como todos são pecadores, todos precisam de perdão para voltar ao rumo certo. Esse perdão foi obtido em nosso favor por Jesus Cristo, por meio da sua morte na cruz e da sua ressurreição. Quem crê nele já tem sua vida transferida para o céu. “Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Filipenses 3:20).

 

Norbert Lieth